Mali

Bamako

Localizado na parte ocidental de África, o Mali (1960), detentor das maiores atrações turísticas de África, faz fronteira com sete países e é considerado o sétimo maior país do Continente.

Nas margens do rio Níger* encontra-se a capital do país, Bamako*, uma das cidades que regista uma elevada taxa de crescimento a nível mundial. A Biblioteca Nacional, o Museu Nacional, a Grande Mesquita e a Torre BCEAO (o maior edifício da África Ocidental) são os principais pontos de interesse da capital. Nos arredores da cidade, destaque para os encantos naturais das cascatas de Sotuba e das dos Montes Mandigos. A cidade de Ségou*, com a sua esplêndida vegetação, ou Gao, com os mercados coloridos, são outros pontos que merecem visita.

Djenné*, Património Mundial desde 1988, é o local mais atrativo do país. Chamada de ‘Veneza do Níger’, por ficar rodeada de água na época nas chuvas, Djenné é um dos maiores símbolos da História do país. Com uma arquitetura marcadamente em barro, a cidade desempenhou um papel essencial na expansão do Ismalismo e tem na Grande Mesquita o símbolo principal dessa função. O edifício data de 1220 e foi reconstruído no início do século XX. Timbuktu*, um dos centros da cultura tuaregue, é também um dos marcos na expensão do Islão, contendo nos seus edifícios cerca de 20 mil manuscritos árabes antigos. Na cidade, que ainda funciona como repositório de saber, mantêm-se três mesquitas de relevante importância, Djingareyber, Sankoré e Sidi Yahia.

Gao, o local onde se pensa repousar Askia Mohammed I, o primeiro imperador dos Songhai, é também Património Mundial da UNESCO. Além do edifício do túmulo, o sítio integra outras importantes construções do século XV, como as mesquitas, o cemitério e um espaço para assembleias. Também na lista da UNESCO constam as Falésias de Bandiagara*, estruturas geológicas peculiares e que serviram de meio de defesa das povoações. Localizadas entre a savana e as planícies do Níger, as falésias mantêm ainda várias casas e pequenos aglomerados populacionais, de muito difícil acesso.

Não há dúvidas quanto à riqueza que as fronteiras do Mali albergam. Além das dunas do deserto do Saara, os vestígios da História do país são inúmeros e também merecedores de uma visita. No entanto, a atual situação de insegurança que o país atravessa tem representado um duro golpe para o turismo, isolando-o e colocando em risco todo o seu património histórico.=



Mali É o sétimo maior país do continente africano e está dividido em oito regiões. O Mali, independente desde 1960, tem talvez das maiores atrações turísticas de África mas a conjuntura que atravessa tem representado um duro golpe para o turismo. Apesar dos esforços no que toca à segurança dos visitantes, a instabilidade social e política e a presença da Al-Qaeda no território têm afastado os visitantes da região, o que ainda agrava mais a situação económica do país, considerado um dos pobres do mundo.

Localizada nas margens do rio Níger está a capital do país, Bamako, uma das cidades que regista maior crescimento actualmente a nível mundial. A Biblioteca Nacional, o Museu Nacional, a Grande Mesquita e a Torre BCEAO (o maior edifício da África Ocidental) são as principais atrações da capital. Nos arredores da cidade, destaque para os encantos naturais das cascatas de Sotuba e das dos Montes Mandigos. A cidade de Ségou, com a sua esplêndida vegetação, ou Gao, com os mercados coloridos, são outros pontos que merecem visita.

Djenné, Património Mundial desde 1988, é contudo o local mais atrativo do país. Chamada de Veneza do Níger?, por ficar rodeada de água na época nas chuvas, Djenné é um dos maiores símbolos da História do país. Com uma arquitetura marcadamente em barro, a cidade desempenhou um papel essencial na expansão do Ismalismo e tem na Grande Mesquita o símbolo principal dessa função. O edifício data de 1220 e foi reconstruído no início do século XX. Timbuktu, um dos centros da cultura tuaregue, é também um dos marcos na expensão do Islão, contendo nos seus edifícios cerca de 20 mil manuscritos árabes antigos. Na cidade, que ainda funciona como repositório de saber, mantêm-se três mesquitas de relevante importância, Djingareyber, Sankoré e Sidi Yahia.

O local onde se pensa repousar Askia Mohammed I, o primeiro imperador dos Songhai, é também Património Mundial da UNESCO. Além do edifício do túmulo, o sítio integra outras importantes construções do século XV, como as mesquitas, o cemitério e um espaço para assembleias. Também na lista da UNESCO constam as Falésias de Bandiagara, estruturas geológicas peculiares e que serviram de meio de defesa das povoações. Localizadas entre a savana e as planícies do Níger, as falésias mantêm ainda várias casas e pequenos aglomerados populacionais, de muito difícil acesso.

Não há dúvidas quanto à riqueza que as fronteiras do Mali albergam. Além das dunas do deserto do Saara, os vestígios da História do país são mais que muitos e os motivos para uma visita também. Apesar disso, as constantes notícias sobre a violência que assalta com frequência o território isola todo o património histórico do país e chega mesmo a colocá-lo em risco.

Ver filme-1, filme-2, filme-3, filme-4.

Mali

  • Mali (MLI)
  • Capital:
  • Região: Africa (Western Africa)
  • Fuso Horário:
  • Denominação: Malian
  • Area: 1,240,192.000 km2
  • Fronteira com:
    DZA, BFA, GIN, CIV, MRT, NER, SEN
  • População: 18,135,000.000
  • Lingua: French
  • Moeda: West African CFA franc
  • Internet: .ml
  • Telefone: +223

Videos